QES – Queen Elizabeth's School

Fundação Denise Lester - Queen Elizabeth's School

"Look up, you always find a star in your life" - Margaret Denise Eileen Lester, O.B.E.

Currículo Nacional

Língua Portuguesa (ver Metas Curriculares)

foto aula lingua portuguesaCriar hábitos de leitura com vista à fluência da língua e estruturação da mesma a nível do discurso oral e escrito.
Explicitar aspetos fundamentais do uso da língua e dominar técnicas de produção e compreensão oral e escrita de textos com graus de formalidade crescentes consoante o nível de escolaridade.
Ter capacidade de usar a língua duma forma precisa e diversificada, como instrumento de comunicação e aprendizagem contínuas.
Interagir com o universo textual contactando com géneros e temas literários diversificados, criando um espaço de abertura à aquisição de diversos conteúdos culturais.

Matemática (ver Metas Curriculares)

abacoO conhecimento global dos números permite a resolução de situações problemáticas com grau de dificuldade crescente à medida que o nível de escolaridade é mais avançado. Deve envolver o educando em atividades de investigação, reflexão e comunicação que constituam um desafio para a descoberta de métodos de resolução que permitam aos alunos a aquisição de competências no domínio do cálculo mental, dos algoritmos, da utilização de fórmulas, da resolução de equações, das construções geométricas, de situações de cálculo e medição.

geoplano

O desenvolvimento do raciocínio matemático nestas idades assenta na resolução de problemas do dia a dia devendo a sua aprendizagem ser apoiada com material e linguagem gráfica que sirva de suporte físico à representação de certos modelos abstratos que permitam ao aluno uma melhor compreensão e o levem à necessidade de exploração, experimentação e manipulação dos mesmos.

Estudo do meio

foto cantar de galo 1A criança tem de partir do conhecimento de si própria e do meio familiar envolvente para o meio social e geográfico que a rodeia, através do reconhecimento de diversas regras de convivência em sociedade, resultantes de uma herança cultural geracional a nível de tradições, valores, língua e religião. Esta disciplina permite responder às questões relacionadas com a intervenção do Homem sobre o meio físico e a aquisição de competências no domínio da educação e preservação ambiental, da qualidade de vida, da saúde e do bem social.

Através do seu estudo, os alunos estabelecem contacto com diferentes realidades sociais e culturais que lhes permitem situar-se temporalmente em termos do desenvolvimento da sua identidade pessoal e coletiva.

foto cantar de galo 2O conhecimento do Meio abrange vários níveis de conhecimento humano: desde a experiência sensorial direta até aos conceitos mais abstratos e à captação analítica dos diversos elementos que integram a natureza. O caráter globalizador desta área não pode prescindir dos contributos específicos das várias ciências que a integram, como sejam a História, Geografia e as Ciências Físicas e Naturais. A ação do professor na organização dos temas a abordar é muito importante de modo a estimular os alunos a investigarem, colocarem hipóteses de forma a encontrarem respostas adequadas.

Ciências Físicas e Naturais

foto cantar de galo 5foto cantar de galo 3foto cantar de galo 4A ciência não só transformou o ambiente natural mas também o modo como pensamos o Homem e o mundo que habita. O conhecimento científico, que no ensino básico corresponde a uma preparação inicial, está por excelência interligado ao estudo do meio, nomeadamente na identificação de problemas ambientais, na rentabilização e preservação dos recursos naturais e no domínio das novas tecnologias, no progresso social e na melhoria da qualidade de vida.

Educação Artística

trabalho educação artística 1As expressões artísticas estão presentes no currículo do ensino básico por serem fundamentais para o desenvolvimento pessoal, social, estético e cultural do aluno. Enquanto formas de saber que conjugam emoção, imaginação e razão ajudam-no:

  • a desenvolver novos saberes;
  • a afirmar a sua identidade, através do desenvolvimento da sua personalidade de forma autónoma, crítica e criativa;
  • a interagir com o mundo físico e humano, através da partilha de sentimentos e emoções;
  • a entender as diferenças culturais.

trabalho educação artística 2

No decorrer do ensino básico, as áreas de expressão são trabalhadas por professores especializados que coadjuvam o professor da monodocência, sendo consideradas como parte integrante do currículo do ensino básico, facilitando a progressão em áreas de saber que exijam maior capacidade de concentração.

Expressão e Educação Plástica

trabalho educação artística 3Enquanto parte integrante da vida comunitária e expressão da cultura, as artes visuais contribuem para o apuramento da sensibilidade, perceção estética e visual das formas, das cores, dos volumes e superfícies, a par do desenvolvimento da destreza manual e da expressão livre como afirmação da sensibilidade pessoal.

 

A ser assim, a Expressão e Educação Plástica permite:

  • a estruturação do pensamento,
  • a educação do olhar e do ver,
  • o despertar dos alunos para as formas de arte e os seus conteúdos no contexto cultural e social da época em que foram criados.

Expressão e Educação Dramática

drama 1A atividade dramática é fortemente globalizadora na medida em que comporta as dimensões plástica, sonora, lúdica, verbal e motora, contribuindo para o desenvolvimento intelectual, social, físico e emocional. Consequentemente, as práticas dramáticas contribuem para o desenvolvimento de competências criativas, físicas, técnicas, relacionais, culturais e cognitivas no sentido em que mobilizam e sistematizam os saberes oriundos de outras áreas de conhecimento.

drama 2

Enquanto prática de grupo, a expressão dramática desenvolve-se a partir de vivências e experiênciasindividuais, podendo ainda funcionar como forma de propiciar uma presença mais dinâmica da família na vida escolar através de uma participação efetiva no acompanhamento das atividades desenvolvidas. A expressão dramática é uma forma e meio de expressão que explora conteúdos e temas de aprendizagem. Rege-se por metodologias que incentivam e fomentam a cooperação e a interdependência de grupo, conduzindo a um alargamento da experiência de vida dos alunos e à melhoria das suas capacidades de decisão e escolha.

Na expressão dramática pretende-se:

  • melhorar o uso da palavra pelo desenvolvimento dos aspetos ligados à dicção, sonoridade, ritmo e interpretação;
  • privilegiar o uso e a compreensão da língua inglesa como um veículo de comunicação, nomeadamente estimulando o conhecimento pela diversidade cultural noutro país;
  • desenvolver a espontaneidade, a criatividade, o domínio respiratório e vocal e a postura;
  • explorar as possibilidades expressivas do corpo, voz, espaço e objetos;
  • desenvolver a capacidade de se relacionar e comunicar com os outros.

Expressão e Educação Musical

foto educação musical 1A música deve ser entendida como um fenómeno pluridimensional no desenvolvimento da capacidade expressiva e criativa da criança através da voz, do movimento corporal (jogos de roda e danças) e do som dos instrumentos musicais. A experimentação e o domínio progressivo de práticas vocais e instrumentais desenvolvidas através de atividades lúdicas contribuem para estimular a sensibilidade auditiva para formas, estilos e tipos de produção musical diversificada. Esta disciplina é utilizada como uma poderosa aliada da aprendizagem do inglês, explorando-se o recurso à estrutura rítmica e métrica, para facilitar a entoação, a memorização auditiva e a dicção correta.

foto educação musical 2As competências artístico-musicais têm os seguintes objetivos:

  • desenvolver o pensamento e a capacidade de imaginar e relacionar sons;
  • desfrutar da música como forma de expressão e de comunicação;
  • desenvolver os sentidos de ritmo, melodia, harmonia, de tom e afinação;
  • dominar práticas vocais e instrumentais diferenciadas;
  • compreender e interiorizar os vários códigos que formam os diferentes universos musicais e contextualizá-los em diferentes estilos e géneros musicais;
  • conhecer e valorizar o património musical nacional e transnacional.

Expressão e Educação Físico-Motora

educação fisica 1A educação físico-motora funciona como um complemento de todas as áreas curriculares pela forte componente que tem na integração escolar dos alunos.

Esta contribui para:

– melhorar a qualidade de vida, a saúde e o bem-estar físico, mental e social dos alunos, bem como promover hábitos de higiene pessoal e coletiva;

– desenvolver com regularidade a prática de atividades físico-desportivas nas suas dimensões técnica, tática e organizativa;
educação fisica 2

– dar a conhecer jogos tradicionais e populares, incentivando a sua prática, aliando movimento e ritmo em atividades físicas e expressivas;

– desenvolver o sentido de responsabilidade pessoal, a cooperação e solidariedade com os companheiros de jogo e exercícios e estabelecer relações respeitosas com o professor e entre colegas;
– elevar a funcionalidade das capacidades motoras como coordenação, resistência, orientação espácio-temporal, velocidade, equilíbrio e postura.

Educação Moral e Religiosa (disciplina de frequência facultativa)

moral 2

A Educação Moral e Religiosa é indissociável da formação integral que acompanha o crescimento da criança. Enriquece a cultura dos alunos e ajuda-os a encontrar respostas para as interrogações fundamentais sobre o sentido da vida e os valores morais pelos quais se devem reger. Um conhecimento amadurecido destes valores torna os jovens aptos a decidir o caminho a seguir.

A cultura europeia ocidental está profundamente marcada pelo cristianismo fazendo, por isso, parte integrante do património cultural que a Escola deve transmitir. A maioria dos alunos é de confissão católica. Cultiva-se, no entanto, o respeito e o direito a outras confissões religiosas. Todas, na sua essência, defendem valores morais e éticos.EMRC

A Educação Religiosa Católica ajuda a criar condições que permitam a cada aluno crescer no caminho da fé, bem como despertá-lo para os valores humanos da fraternidade, do amor e respeito pelos outros, da paz, da alegria de viver, da verdade, do perdão, da gratidão e da generosidade.

ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO DO CURRÍCULO

Ténis

tenis O Ténis é um desporto inglês com mais de cem anos e, como tal, é alvo de um tratamento especial nas aulas de Educação Física. Esta modalidade tem vindo a evoluir de uma maneira extraordinária e, cada vez mais, se procura que a criança encare o jogo de uma forma natural. O desenvolvimento motor da criança é um fator importante para a assimilação das regras do Ténis ou de qualquer outro desporto. Nos dois primeiros anos (entre os 5 e os 7 anos) pratica-se o mini-ténis, variante esta adotada a nível internacional, em que a criança adquire uma perceção das suas capacidades físicas através do manuseamento da raquete e da bola.

A partir dos 8/9 anos dá-se então início à aprendizagem técnica do Ténis propriamente dito, podendo o aluno ficar apto aos 12 anos a entrar na fase da competição. Durante o 3º e o 4º ano, visa-se que a criança conheça e domine as regras de base do jogo, como sejam:

tenis etenis 4

  • Área de Campo
  • Posição de Espera
  • Direita e Esquerda
  • Voleis e Smash
  • Serviço
  • Prática de Jogo em Singulares e em Pares
  • Organização de um TorneioCoro Infantil da Q.E.S.

Coro Infantil da Q.E.S.

coro 1

O Coro Infantil da Q.E.S. é constituído pelos alunos do básico que mostrem vontade e interesse de ingressar no mesmo.Criado em 1999, a sua vocação prende-se, principalmente, com a animação de várias festividades respeitantes às atividades desenvolvidas dentro e fora da Escola. As festas escolares, nas quais tem participado, têm sido Celebrações Eucarísticas, como a Primeira Comunhão, Aniversários da Escola e “Plays” de Natal e Fim de Ano.

Dimensão Europeia na Educação

Respeitando os ideais da fundadora do Colégio, especialmente a amizade entre a cultura Portuguesa e Britânica assim como o ensino de Inglês como segunda língua, a escola concorreu ao Programa Sócrates, Acção Comenius 1 – Projecto Educacional Europeu como instituição coordenadora, em parceria com uma escola inglesa (Shiremoor First School Newcastle) e uma escola italiana (Dirzione Didattica del 5º Circolo di Varese – Província di Varese), que também ensina o inglês como segunda língua. O Projecto Educativo Europeu durou entre 2000 e 2003; a partir desta data foi integrado no nosso projecto de escola.

A Cidadania Europeia e a Educação para os Valores são trabalhadas em cada área de forma a serem entendidas na sua plenitude. Estas temáticas são tratadas de forma transversal em todo o plano curricular da escola e consideradas áreas de enriquecimento do ponto de vista pedagógico.

É na escola que os alunos devem interiorizar e sentir os problemas com que se debate actualmente a humanidade e mostrar solidariedade para com o próximo, lutando pela defesa dos: Direitos Humanos; Preservação Ambiental; Paz; Desenvolvimento Económico, Científico e Tecnológico; Princípio da Igualdade de Oportunidades; Respeito pela Diversidade Cultural; Tolerância e Luta contra a Exclusão.

Pretendemos formar cidadãos activos com um sentido de responsabilidade social.

Numa Parceria Multilateral entre Escolas Europeias foi desenvolvido o Projeto FLY (Fun Learning for Youngsters), financiado pelo Programa Setorial Comenius,  com a duração de dois anos letivos (de setembro de 2010 a setembro de 2012). Este projeto foi financiado pela Agência Nacional do Programa de Aprendizagem ao Longo da Vida (PROALV),  e envolveu escolas de quatro países (Portugal – Q.E.S., Inglaterra – Shiremor Primary School, Espanha – Colégio Público Atalía, e Turquia – Kurtulus Ilkogretim Okulu), sendo a Q.E.S. a escola coordenadora. O objetivo principal foi aumentar a motivação dos alunos para a aprendizagem e a subsequente melhoria do seu aproveitamento escolar através da utilização e intercâmbio de novas metodologias de ensino, principalmente no ensino precoce de línguas. Pode ver a página de internet do Projeto FLY e respetivos conteúdos em: flyproject.org.

ÁREAS CURRICULARES NÃO DISCIPLINARES

Apoio ao Estudo

estudo acompanhado 1Tem a finalidade de criar nos alunos métodos de estudo, de trabalho e organização que se traduzam no desenvolvimento de atitudes e de competências que levem a uma maior autonomia na concretização das aprendizagens.

Inscreve-se nesta área a leitura e pesquisa orientadas com recurso às novas tecnologias de informação e à criação de centros de interesse cultural dentro da escola, que possam incentivar a curiosidade e a motivação cognitiva e intelectual dos alunos, através, nomeadamente: da dinamização da biblioteca (consulta de livros e de materiais audiovisuais), da realização de visitas de estudo subordinadas às temáticas do projeto curricular de turma, da elaboração de um jornal de escola, de exposição dos trabalhos dos alunos, da formação de clubes para o desenvolvimento de atividades educativas fora da sala de aula, entre outras.

Educação para a Cidadania

Área que visa a formação, por excelência, do caráter da criança tornando-a participativa, ativa e crítica em relação ao espaço social que a rodeia: na escola, na família e no meio em que se move no seu dia a dia.

formaçao civica

Na própria sala de aula deve criar-se um espaço de reflexão e de debate sobre temas da atualidade, através da constituição de assembleias de turma para formar jovens esclarecidos, responsáveis e sensíveis aos problemas que afetam a Humanidade.

 Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC)

logo_vertical“Aprender, Educar, Investigar, Voltar a Aprender…”

A Educação XXI é um modelo de aprendizagem inovador, com a maior implantação nacional no ensino de Informática para crianças e jovens, estando presente num vasto número de estabelecimentos de ensino em todo o país.

Este modelo tem como objetivo criar hábitos de investigação e desenvolver a aplicação prática das TIC para que as crianças se possam integrar no mundo tecnológico.

Neste contexto destacamos a utilização de linguagens de programação visual, como o Kodu e o Scratch, concebidas especificamente para crianças.

Estas linguagens de programação são muito úteis uma vez que ativam conceitos matemáticos e de outras áreas, introduzindo a lógica e resolução de problemas sem códigos complexos.

Estruturalmente são responsáveis pelo desenvolvimento de capacidades colaborativas, do raciocínio lógico e da criatividade.

Acreditamos que a informática é uma ferramenta indispensável no processo educativo e essencial para tornar os alunos mais autónomos e pró-ativos, contribuindo para um melhor desempenho escolar.

O Queen Elizabeth’s School selecionou uma entidade externa especializada neste domínio que concebeu o modelo de aprendizagem Educação XXI que, pela capacidade de inovação sucessiva e pelo reconhecimento institucional que tem obtido, corresponde à autenticidade que neste domínio de aprendizagem desejamos para os nossos alunos.

 

Comentários estão fechados