QES – Queen Elizabeth's School

Fundação Denise Lester - Queen Elizabeth's School

"Look up, you always find a star in your life" - Margaret Denise Eileen Lester, O.B.E.

Para onde vamos, metas a alcançar…

A Fundação Denise Lester aposta na internacionalização, prestando um serviço educativo de excelência, formando cidadãos para os desafios da sociedade do conhecimento e da globalização 

No âmbito das suas áreas de atuação a Fundação Denise Lester e a Queen Elizabeth’s School apostam cada vez mais na dimensão europeia da educação; na participação em redes europeias ligadas à educação; em parcerias internacionais com escolas ou instituições reconhecidas de outros países; na criatividade e inovação, dinamizando e cooperando em iniciativas e programas de ação que criem sinergias e parcerias com a sociedade civil, nomeadamente com fundações, associações, centros de investigação e instituições de ensino superior; na área educativa, cultural, social e de beneficência.

Desde janeiro de 2013, a QES foi  aprovada como reunindo todos os requisitos para ser considerada “Cambridge International School” do Programa Internacional Educativo e de Exames da Universidade de Cambridge (www.cie.org.uk), e desde o corrente mês de agosto formalmente designada como tal. No próximo ano letivo (2013/2014) implementar-se-á o Programa de Educação Bilingue no currículo da escola, gradualmente e progressivamente de forma a que os alunos desenvolvam uma competência em Inglês comparável à adquirida por crianças cuja língua materna é o Inglês. Prevê-se que os alunos adquiram o certificado do Cambridge Primary Programme em paralelo com a realização do Primeiro Ciclo do Ensino Básico. Visa-se manter a excelência através da internacionalização do currículo da QES.

A QES foi recentemente convidada para participar numa parceira educativa com vista à constituição de um consórcio internacional na àrea da formação contínua de professores e liderança escolar, a nível do ensino básico, secundário, superior e profissional. Esta iniciativa tem como objetivo principal a preparação de um Quadro Conceptual Comum de Referência com princípios que evidenciam boas práticas pedagógicas comprovadas cientificamente por Centros de Investigação e Instituições de Ensino Superior, através da realização de estudos de caso em Escolas Piloto (participando a QES nesta qualidade) e Centros de Formação Profissional pertencentes ao referido consórcio, tendo em vista a excelência na qualidade do ensino. Este consórcio que se visa criar, denominado EVIDENT-Evidence Informed Teaching and Learning through Professional Learning Communities, apresentou em janeiro de 2013 uma candidatura à Agência de Execução relativa à Educação, ao Audiovisual e à Cultura (EACEA) da Comissão Europeia com vista ao financiamento deste Projeto Multilateral, no âmbito do Sub-Programa Comenius do Programa de Aprendizagem ao Longo da Vida.

Desde 1935 a educar e a formar jovens cidadãos com um forte sentido de responsabilidade e solidariedade social.

O projeto educativo da QES, foi elaborado a partir dos princípios fundamentais que alicerçaram a ação educativa de Miss Denise Lester aquando da criação desta Escola em 3 de novembro de 1935.

Preservar os ideais preconizados pela fundadora Miss Denise Lester, dando  especial importância à educação para os valores, bem como ao exercício de uma cidadania ativa com um forte sentido de responsabilidade social assente no respeito pelas liberdades fundamentais do indivíduo como pessoa, na defesa dos direitos humanos e no combate a todas as formas de exclusão e discriminação.

Na sua ação educativa, a Queen Elizabeth’s School (QES) promove valores de solidariedade, tolerância e diálogo numa sociedade cada vez mais global, caracterizada por uma grande diversidade e riqueza cultural, sensibilizando os seus alunos para o papel preponderante da sociedade civil como força que dá expressão às necessidades de interesse geral dos cidadãos num Estado de Direito.

O projeto educativo da Queen Elizabeth’s School pretende dar continuidade à visão, espírito altruísta e empreendedor que sempre caracterizou a sua Fundadora e uma importância primordial à formação pessoal e cívica dos alunos atuais como os cidadãos de amanhã.

Apesar de Miss Denise Lester ser amputada de ambos os membros inferiores, nunca se deixou abater por essa circunstância adversa, tendo criado de raiz esta escola e realizado trabalho de voluntariado nas Guias de Portugal e na Cruz Vermelha, situações estas, que lhe valeram várias condecorações.

A Fundação Denise Lester sempre suportou o financiamento de propinas a não mais de dois alunos por ano cujos encarregados de educação, por motivos definidos estatutariamente ou de força maior, não as pudessem suportar, se bem que este apoio seja sempre realizado de forma sigilosa para que as crianças beneficiárias e famílias sejam protegidas de qualquer tipo de discriminação por esse facto.

A Fundação Denise Lester e a Queen Elizabeth’s School, têm vindo a desenvolver vários trabalhos na área da educação para a cidadania e da proteção dos direitos humanos, nomeadamente na colaboração com algumas instituições de solidariedade social e em campanhas de sensibilização para angariar fundos e géneros alimentares para lares de terceira idade e centros de apoio a crianças desfavorecidas economicamente.

 

Atividades em desenvolvimento

Pretendemos dar continuidade ao trabalho já realizado em anos anteriores com os alunos do 1º Ciclo do Ensino Básico no âmbito da integração social de idosos sem família, residentes em lares da terceira idade.

“Temos feito muitos trabalhos e já fizemos duas visitas ao lar de idosos de São Vicente de Paulo para conversarmos com pessoas mais velhas que têm muitas historias para contar, mas que não tem a quem. A nossa escola também recolheu comida, brinquedos, roupa e material escolar para entregar a várias instituições”.
Joana Santos – aluna do QES

Visitar lares de idosos criando uma maior envolvência entre idosos e crianças, mantendo as visitas mensais ao Lar de Nossa Senhora da Vitoria. ao Lar de Santa Catarina de Labouré e ao Lar das Idosas de Carnide. bem como a preparação cuidadosa dos presentes para levarem aos idosos feitos pelos alunos dando um novo significado à sua  existência.

Imprimir uma maior visibilidade ao trabalho que tem vindo a ser realizado com estes três lares de idosos, convidando os idosos a participar nalgumas festividades do colégio interpretando, dançando e declamando com as crianças canções, marchas e poesia tradicional portuguesa.

Tem-se em vista preservar a identidade, memória e alma da cultura portuguesa, a sua ligação a um passado com tradição e o desejo da sua transmissão a uma nova geração.

A Queen Elizabeth’s School tem vindo a promover junto dos seus alunos iniciativas de sensibilização para a não discriminação social  de jovens portadores das mais variadas deficiências, aceitando e respeitando a diferença e promovendo a inclusão.

Tivemos a oportunidade de convidar para vir à escola o desportista paralímpico Paulo Espírito Santo (modalidade de ténis adaptado a cadeira de rodas), amputado dos membros inferiores, para jogar ténis com os nossos alunos, em março de 2011 e foram-nos cedidos pela Associação Salvador, equipamentos para a prática de desporto adaptado tendo podido as crianças experimentar cadeiras de rodas de atletismo e de basquetebol, e desta forma as mesmas sentiram as dificuldades de mobilização na utilização destes equipamentos. Também esteve presente no encerramento das nossas atividades desportivas, no estádio 1º de Maio, em maio 2011, o tenista em cadeira de rodas João Sanona, tendo a sua participação neste evento superado as expectativas das crianças e respetivos encarregados de educação que assistiram ao mesmo na sequência desta iniciativa, de trazer à escola jovens portadores de deficiência.

No ano letivo 2012/2013, tivemos a participação do Comité Paralímpico de Portugal no Sports Day da Queen Elizabeth’s School, com a introdução no programa deste evento desportivo de modalidades paralímpicas, como sejam: Boccia, Atletismo e Corrida de Cadeira de Rodas e Corrida de Velocidade com Guia. Os alunos da QES foram preparados e sensibilizados para a prática destas modalidades pelo professor Carlos Bráz que foi destacado para este efeito pelo Comité Paralímpico de Portugal.

O Comité Paralímpico de Portugal convidou o Clube Judo Total para participar no Sports Day 2013, cuja temática versava sobre inclusão e excelência desportiva, para uma exibição de Judo levada a cabo por atletas pertencentes ao Clube, muitos deles portadores de deficiência, nomeadamente invisuais e surdos-mudos.

Contámos, mais uma vez, com a participação do atleta paralímpico Paulo Espírito Santo, campeão nacional de ténis adaptado que teve oportunidade de jogar com os alunos do 3º ano e do Clube de Ténis da Queen Elizabeth’s School.

convite sports day 2013

Quanto a todos os outros fins de natureza cultural, de solidariedade social e de apoio à família de crianças diminuídas fisicamente, a fim de criar a estas últimas as condições  indispensáveis à sua integração e inclusão, a Fundação Denise Lester tem vindo a realizar um trabalho de integração, com recurso a uma equipa interdisciplinar em articulação com recursos e entidades externas, de forma a solucionar problemas relacionais do foro das perturbações do desenvolvimento ou de outras que possam implicar qualquer tipo de limitações, promovendo o seu desenvolvimento máximo nas vertentes social, cognitiva, emocional e motora.

Futuramente a nossa Escola  gostaria de poder convidar alguns jovens portadores de deficiência para frequentar com os seus alunos o campo de férias da QES, o qual tem em vista proporcionar às crianças estilos de vida saudáveis e ecológicos com a prática regular de exercício físico, em amplos espaços verdes, na proximidade do mar.

Explorar o mundo dos sentidos e pensar naqueles que não têm o privilégio de vivenciar o mundo sem limitações, ao pensar naqueles que são desprovidos de um dos cinco sentidos. Serão assim, com certeza, muitas as realidades por descobrir, as histórias para ouvir que nos ajudarão a respeitar as pessoas com essas diferenças, com especial relevância para os invisuais e surdos-mudos.

Durante o ano letivo de 2011 convidámos um membro da Associação dos Surdos-Mudos para lecionar uma aula de Língua Gestual aos nossos alunos do 1º ciclo de ensino básico, experiência esta que gostaríamos de repetir, assim como explorámos o “Livro Negro das Cores”, da autoria de Rosana Faria e Menena Cottin, o qual foi recriado pelas crianças, e ilustrado com imagens escolhidas pelos alunos, tendo este trabalho sido animado numa produção audiovisual, a preto e branco, para retratar a sensação do que é viver sem cor.

Na exploração do mundo dos sentidos seria bom dar aos nossos alunos mais hipóteses de conviver com invisuais e surdos-mudos atendendo à importância e necessidade que as crianças sentem de viver experiências inovadoras e diferenciadas enriquecedoras a nível do seu desenvolvimento pessoal, social, emocional e humano.

À semelhança da iniciativa que levámos a cabo no ano de 2011, pretendemos organizar uma feira da saúde convidando médicos especialistas para falarem com as crianças sobre estilos de vida saudáveis no âmbito da saúde escolar.

Habitualmente a QES faz  campanhas de angariação de géneros alimentares, recolha de brinquedos e de material escolar na Quadro Natalícia e  Páscoa para oferecer a instituições de solidariedade social, dando testemunho de generosidade e de ajuda ao próximo e o seu  contributo para a construção de um mundo mais fraterno, solidário e justo.

 

Comentários estão fechados